A Laws.Africa project
11 October 1986

Mozambique Government Gazette Series I supplement number 2 dated 1986-10-11 number 41

Download PDF (347.6 KB)
Page 1
 S a b a d o , 11 d e O u t u b r o d e    1986                                                     I SÉRIE - N ú m e r o 4 1




                                   B   O   L   E   T       I   M       D    A               R   E       P   Ú   B   L   I   C   A


                                           PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA POPULAR DE MOÇAMBIQUE




                      2    .   °               S       U       P   L    E       M    E      N       T       O




                       S U M Á R I O                                bicanos se encontram, o regime sul-africano utiliza-os de
                                                                    várias formas. São utilizados como força de trabalho su-
         Conselho de Ministros:                                    perexplorada. São coagidos a ingressarem nas fileiras do ban-
Comunicado:                                                        ditismo armado. São transformados em objecto de propa-
                                                                    ganda e em instrumento de chantagem contra o nosso país.
   De exortação ao povo moçambicano ao reforço da unidade
    nacional, à agudização da vigilância, a participação activa     Alguns locais de concentração destes deslocados foram
    na defesa da Pátria, perante as ameaças de agressão militar     transformados em campos de treino dos bandidos armados.
    su -africanas.                                                     Os militaristas da África do Sul montaram, no início des-
                                                                   ta semana, um incidente no qual uma mina explodiu ferin-
                                                                   do alguns soldados sul-africanos.
                                                                       A fabricação deste incidente, ampliado e manipulado
                    Conselho De Ministros                          pela propaganda do regime, visa constituir o pretexto para
                          Comunicado                               o desencadeamento da agressão directa ao nosso país.
                                                                       Os círculos militaristas sul-africanos pretendem utilizar
   O Governo da República Popular de Moçambique está               este pretexto para pressionar o seu Governo e anular os
na posse de informações de que as Forças Armadas da                esforços de políticos sul-africanos que procuram uma solu-
África do Sul preparam uma agressão directa à cidade de             ção negociada para os problemas da África do Sul.
Maputo.                                                                Foram os belicistas sul-africanos que ao cair o regime
   Os ataques em preparação prevêem a utilização da força          racista e minoritário de Ian Smith, chamaram a si a orga-
aérea e grupos de comandos infiltrados no nosso pais.              nização do banditismo armado, transformando-o no princi-
   Estas informações foram comunicadas ao Governo mo-              pal instrumento para agredir e desestabilizar o nosso país.
çambicano por cidadãos sul-africanos opostos à política                São eles que organizam o massacre de camponeses pací-
dos belicistas, alguns deles ligados a sectores económicos         ficos, de velhos, de crianças, de mulheres grávidas. São
da África do Sul.                                                  eles que mandam executar as mutilações mais horríveis.
   A preparação destes ataques surge no contexto duma es-          São eles que ordenam o incêndio de autocarros, comboios,
calada da agressão sul-africana ao nosso país.                     automóveis, com passageiros no interior. São eles que man-
   Nos últimos meses temos vindo a assistir a um aumento           dam destruir as escolas, hospitais, postos de saúde, lojas,
da infiltração de bandidos armados a partir de território          aldeias. São eles que ordenam aos bandos armados que
sul-africano.                                                      destruam as viaturas que transportam comida e medica-
   Aviões sul-africanos têm descarregado bandidos arma-            mentos para a população afectada pela seca.
dos e equipamento militar na província de Manica para                  Mancha as suas mãos o sangue de mais de 100 mil mo-
ataques ao «Corredor da Beira», tentando impedir o proces-         çambicanos vítimas directas da guerra de agressão que
so em curso de melhoria das infra-estruturas ferroviárias          movem contra o nosso povo.
que ligam a Beira ao «hinterland».                                    A acção dos militaristas sul-africanos já causou ao nosso
   Outras infiltrações têm-se verificado nas províncias de         país prejuízos materiais superiores a cinco biliões e meio
Maputo e Gaza. Grupos de bandidos atravessam a fron-               de dólares.
teira ou são transportados de helicóptero para o interior             Foram estas mesmas forças belicistas, militaristas e aven-
de Moçambique, coincidindo esta acção com um incre-                tureiristas que se opuseram ao Acordo de Nkomati, que
mento de atentados terroristas na nossa capital.                   decidiram que ele não fosse respeitado, que organizaram
   Nas últimas semanas, a África do Sul organizou a intro-         a sua violação sistemática.
dução maciça de bandidos armados nas províncias de Tete               Altos responsáveis civis e militares do regime de Pretó-
e Zambézia a partir de território malawiano.                       ria dirigem pessoalmente os bandidos armados, deslocam-se
   A acção desestabilizadora realizada através dos bandi-          pessoalmente aos seus acampamentos no interior de Mo-
dos armados tem provocado a saída de moçambicanos das              çambique como provam os documentos capturados na
zonas fronteiriças para a África do Sul. Aproveitando a            Gorongosa. Especialistas das Forças Armadas sul-africanas
situação de extrema vulnerabilidade em que estes moçam-            dirigem dentro de Moçambique a construção de pistas de

Page 2
Download full gazette PDF